Tudo sobre Alter do Chão, em Santarém

Categorias:

Brasil,Destinos,Experiências,Gastronomia
Compartilhe:

Fazia tempo que não ia à Santarém, região do Baixo Amazonas no Estado do Pará, mais precisamente em Alter do Chão. Uma aldeia de pescadores com cerca de 2 mil habitantes que convivem diariamente com as belezas do Rio Tapajós. A praia está situada a 38km do Aeroporto de Santarém, o que dá em média 30 minutos de viagem de carro.

Diferente da maioria das viagens que compartilho aqui no blog, estive em Alter do Chão a trabalho por conta de um Projeto Social em Belterra. Preferimos nos hospedar em Alter do Chão (sou esperta!), que é bem pertinho e consegui conhecer melhor para contar tudinho a você. 

Não foi a primeira vez que visitei Alter do Chão. Estive por lá a uns 10 anos atrás e confesso que aquele lugar cheio de energia me surpreendeu novamente. Logo eu, que estou tão habituada com os rios da Amazônia. Logo eu, que cresci em Belém do Pará, cercada pelos afluentes do Rio Amazonas, pelo verde da floresta e pelo clima tropical.

Alter do Chão em Santarém - Passeio de barquinho pelo Rio Tapajós - Julia Maiorana

Sim, estava eu totalmente envolvida com os botos, com as cores do sol, com a paisagem, o silêncio e principalmente com a imponência do Rio Tapajós. Para quem vem de avião, vale disputar um lugar na janela e ter a sorte de apreciar as águas em tons de verde e azul que brilham à luz do sol em cerca de 810 quilômetros de extensão.

Alter do Chão em Santarém - Por do Sol - Julia Maiorana

É daí que vem o apelido “Caribe Brasileiro”, uma sugestão do jornal britânico The Guardian, que, inclusive, elegeu Alter do Chão como a mais bela praia de água doce do mundo.

Quem nunca foi a Alter do Chão pode até achar o nome “Caribe Brasileiro” um tanto audacioso, mas,  acredite em todos os adjetivos que enaltecem o lugar. Esse é um dos destinos mais procurados por turistas brasileiros e principalmente estrangeiros que querem conferir de perto um dos tesouros da floresta amazônica.

Melhores épocas

Como Santarém está localizada perto da linha do Equador, faz calor praticamente o ano inteiro. Porém, é importante saber que entre os meses de março a julho o rio está cheio, por esse motivo, as praias da região ficam submersas. Ou seja, para ter uma visão completa das ilhas e as extensas faixas de areias branquinhas banhadas pelo Rio Tapajós, o ideal é planejar a visita para os meses entre agosto e fevereiro, conhecido como o período da vazante do rio.

Alter do Chão em Santarém - Ilha do Amor na vazante do rio - Julia Maiorana

A Ilha do Amor em Alter do Chão na época da vazante

Mas, se quiser conhecer a região durante o período das cheias, a opção é aproveitar os passeios de barcos e as incursões pela floresta. Eu estive em Alter do Chão em meados de junho e pude ver parte dos quiosques que ficam submersos começando a aparecer. Ainda sim, consegui me divertir bastante e apreciar ótimos passeios.

#DiquinhadaJu: Em setembro acontece o Festival Folclórico do Sairé. A festa é uma mistura de tradições religiosas e profanas, com diversas atrações de dança como o carimbó e apresentações teatrais do confronto entre os botos cor-de-rosa e tucuxi. Se você aprecia eventos folclóricos, programe-se para ir neste período.

Alter do Chão em Santarém - Sairé - Julia Maiorana

A mais antiga manifestação cultural popular da Amazônia: o Sairé, na Vila de Alter do Chão, em Santarém.
Foto: Rodolfo Oliveira/ AG. PARÁ

Como chegar

Pelo ar ou pelo rio, a viagem até Alter do Chão, em Santarém, com certeza é um dos pontos fortes da visita. Em ambos, a experiência garante momentos inesquecíveis e cheios de encantos naturais.

Avião

As companhias Azul, Gol, Latam, Meta e Trip operam voos para Santarém. Saindo de Belém ou Manaus por exemplo, a viagem dura 1h. Mas, também é possível encontrar voos que saem de outras cidades do Brasil. Se você escolher ir de avião, terá ainda que realizar o traslado do aeroporto de Santarém à vila de Alter do Chão.

Barco

É possível também viajar de barco e se encantar ainda mais com a paisagem amazônica. Para quem quer ter a experiência, o trajeto hidroviário dura cerca de 5 dias com saídas 3x por semana de Belém. Como o Rio Tapajós liga o Amazonas ao Pará, dá para ir barco saindo de Manaus. A viagem dura dois dias. Com certeza será suficiente para você se conectar com a natureza da Amazônia.

Onde ficar

Como Alter do Chão, em Santarém, é um destino muito procurado por turistas, as opções de hospedagem são para todos os gostos e bolsos. Há quartos em hostels, pousadas e hotéis bem confortáveis. Além disso, o turista ainda pode escolher entre ficar na vila ou de frente para o rio, e até mesmo em algumas das praias ao redor.

Hotel Mirante da Ilha

Foi onde estive hospedada. O Hotel Mirante da Ilha fica próximo à praça principal (quase 5 minutos a pé) e tem uma vista espetacular para o rio. É um dos hotéis mais estruturados da vila, com restaurante próprio, internet, ar condicionado (importante item para esta região, apesar da brisa do rio) e quarto amplo. O serviço do hotel estava de parabéns, funcionários sempre muito atenciosos.

O que mais gostei foi do local onde tomamos café da manhã, que fica no terraço do hotel com uma vista panorâmica privilegiada. Imagina acordar e ver o sol nascendo assim? 

Alter do Chão - Santarém - Julia Maiorana

Os quiosques da praia que ficam submersos, começam a aparecer, anunciando a chegada da alta temporada

Vila de Alter Pousada Boutique Amazônia

O local é lindo e confortável, e tem como objetivo hospedar os turistas mais aventureiros, mais que não dispensam a comodidade de uma pousada. O Vila de Alter conta com várias cabanas de madeira para abrigar os hóspedes e uma equipe ótima, comandado pela Andrea, uma das proprietárias do espaço, que recebe a todos sempre com muita simpatia e atenção. 

Alter do Chão em Santarém - Vila Alter - Julia Maiorana

Don Preguiça Hostel Alter do Chão

Ideal para quem quer gastar pouco e conhecer pessoas de diversos lugares do mundo, principalmente jovens turistas. Este hostel está localizado próximo a pontos importantes de Alter do Chão, como a Ilha do Amor, Praia do Cajueiro e o centro da cidade, então dá para ir caminhando tranquilamente. Ou, se preferir, pode alugar uma bicicleta lá mesmo.

Alter do Chão em Santarém - Hostel Dom Preguiça - Julia Maiorana

 

Praias e outras atrações para visitar

Praia, comer, relaxar, mergulhar no rio e apreciar os encantos da natureza. Quer coisa melhor que isso?! Um verdadeiro Dolce far nitente! Com tanta beleza natural fica um pouco difícil escolher qual praia visitar. A dica é tentar conhecer todas. Isso, claro, se a época estiver propícia para as praias, afinal, elas passam metade ao ano submersas. 

  • Ilha do Amor: é a praia mais famosa e a mais visitada pelos turistas. Formada por um banco de areia do Rio Tapajós, ela fica logo em frente ao centro da vila. O visitante pode aproveitar ainda os diversos quiosques que servem comidas como os peixes da região, destaque para o tucunaré na brasa.

Alter do Chão - Ilja do Amor vista de cima - Julia Maiorana

  • Praia de Pindobal: Na realidade esta praia fica no município de Belterra, que é próximo de Alter do Chão, podendo ir de carro ou de barquinho mesmo. O que impressiona em Pindobal é que nela podemos perceber quão grande e largo é o Rio Tapajós, pois não dá opara ver a margem do outro lado do rio. A sensação é que é um “mar de água doce”. O lugar é tranquilo, com águas calmas e escuras.

Alter do Chão em Santarém - Praia de Pindobal - Julia Maiorana

  • Ponta de Pedras: espere encontrar grutas submersas cobertas por bauxitas. A melhor época para visitar é em novembro, quando acontece o Festival do Charutinho, típico peixe da região.

Alter do Chão em Santarém - Praia Ponta de Pedras - Julia Maiorana

 

  • Pontas do Cururu e Maretá: aqui a atração fica por conta da tranquilidade. Sem quiosques ou bares, a calmaria reina e o visitante consegue aproveitar um pôr do sol inesquecível à beira do Rio Tapajós. Vale destacar que a ponta do Cururu é o local ideal para observar os botos da região.

Alter do Chão em Santarém - Ponta do Cururu - Julia Maiorana

 

  • Serra da Piraoca: opção para aventureiros, para chegar até lá é preciso caminhar por uma trilha de cerca de uma hora que leva ao ponto mais alto de Alter do Chão. A paisagem é privilegiada, pois o topo fica a 110 metros de altura.
Alter do Chão em Santarém - Serra da Piraoca - Julia Maiorana

Vista do topo da Serra da Piraoca, em Alter do Chão, Santarém

 

  • Floresta Encantada Caranazal: a ideia aqui é navegar pelos labirintos formados pelas águas dos igarapés quando elas sobrem e transbordam. O passeio pode ser feito em canoa para até quatro pessoas e a atenção vai toda para o visual incrível que a água cristalina causa.

Alter do Chão em Santarém - Julia Maiorana

  • Canal do Jari: Esse foi um dos meus passeios preferidos, super indicado pelos locais para aproveitar o rio durante as cheias. O passeio é feito de barquinho por quase 20 quilômetros de rio. A época estava propícia para apreciar as lindas vitórias-régia que florescem na época do inverno amazônico. Além da vegetação típica, observamos as aves e até mesmo os famosos botos, a marca registrada da região.

Como se locomover?

Alter do Chão é bem pequenina, ou seja, dá para ir a restaurantes, praça, caminhar pela cidade, tudo a pé tranquilamente. Se você resolver se hospedar no centro da cidade, melhor ainda. Já para fazer os passeios e curtir as praias dá para ir de barquinho (a travessia custa R$10). Quando a maré está na vazante, dá para ir de carro para as principais praias.

O que comer?

Se você não é paraense ou nunca veio para o Norte do País, vai perceber alguns nomes estranhos dos peixes, frutas e temperos, mas não fique com receio. Você está prestes a experimentar alguns dos mais exóticos e deliciosos sabores do mundo. Sim, do mundo. A culinária paraense é conhecida por seus ingredientes peculiares e inusitados. A diversidade de peixes dos rios é única. A Amazônia tem peixes de água doce com sabores completamente diferentes dos peixes de água salgada. 

Peixe de água doce

O meu peixe favorito é o Filhote, peixe de carne branca e suave. Outro que você precisa provar é o Pirarucu, muito conhecido nesta região e chamam de Bacalhau paraense por ser um pouco mais salgado. Não deixe ainda de experimentar o Tucunaré, Tambaqui (ficam ótimos na caldeirada ou na brasa) e o Charutinho ( também conhecido como pratiqueira, aquele peixinho frito que come inteiro).

Alter do Chão em Santarém - Caldeirada Paraense - Julia Maiorana

Frutas da Amazônia

A região também oferece uma variedade ótima de frutas regionais. Lá você encontra o Cupuaçu, Bacuri e Taperebá, por exemplo. Ambas são frutas azedas, mas se transformam em sucos, mousses e doces. Ah, não deixe de experimentar o Açaí, na Amazônia ele tem um sabor diferente, pois é mais fresquinho e sem aditivos como xaropes ou conservantes. Uma delícia! 

Onde comer?

Agora que você já sabe o que comer, vou te passar o nome de alguns dos restaurantes para experimentar todas essas delícias. Vamos lá!

Arco-Íris da Amazônia

Meu preferido. Também conhecido como “Restaurante do Pedrinho”, que é o dono. O local fica na praça e tem um cardápio bem variado, com peixes, carnes, crepe, camarão, sanduíches e misturas de sucos com as mais variadas frutas.

Como uma boa paraense, sou fã de Filhote e lá é um dos poucos restaurantes que você encontra. O prato vem com vários acompanhamentos e super bem servido. Lá, se você nunca experimentou, você vai ver a famosa Cachaça de Jambu, muito gostosa e forte.

Farol da Ilha

Além do cardápio regado a porções de diversos peixes, ele tem uma vista linda de frente para o rio. O custo benefício compensa bastante. Vale apostar nos pratos com tucupi, o molho feito com mandioca que é bastante conhecido entre os turistas. 

Espaço Gastronômico Alter do Chão

Um pouco mais sofisticado que os outros se tratando do paladar. Lá, também você encontra os peixes locais com um tempero e apresentação mais gourmet. Por exemplo, comi um Tartar de Pirarucu que estava delicioso e de principal, Pirarucu ao molho de Taperebá. Este restaurante fica um pouco antes da praça, ao chegar em Alter.

 

E ai, gostou? Se você tem vontade de conhecer Alter do Chão, a #DiquinhadaJu é: vá! Se precisar de algumas dicas para ajudar nessa viagem, manda uma mensagem para [email protected] ou pelas redes sociais. Até a próxima! 😉

 

 

 

 

 

Compartilhe:

6 thoughts on “Tudo sobre Alter do Chão, em Santarém”

  1. Carlos Vieira - Porto Alegre/RS disse:

    Parabéns! Ótimas dicas. Em outubro estou chegando lá em Santarém e Alter do chão. Bjs

  2. Julia Maiorana disse:

    Obrigada Carlos!! Depois me conta. É um lugar lindo.

    beijos

  3. FABIANA disse:

    Oi Julia! Estou pensando em ir a Alter do Chao em Janeiro do ano que vem, você acha que 3-4 dias seriam suficientes? Beijos

  4. Julia Maiorana disse:

    Oi Fabi!! Que delicia! Você vai amar. São suficientes sim. Como não tem muito o que fazer na cidade em si, você vai aproveitar bastante as praias e rios. Vamos fazer essa experiência ser ainda mais incrível? Um dos meus serviços por aqui é a consultoria para viagens, de um jeito único e especial. Posso montar um roteiro personalizado para você, seguindo todas as suas particularidades e expectativas diante dessa viagem. Beijos!!

  5. LUANA LOPIZIC CARVALHO disse:

    Adorei as dicas!! Vamos nos hospedar na Vila de Alter Boutique, você pode nos dizer se há serviço de taxi? Vi que o hotel fica longe do centro.
    Você sabe tbm se há alguma praia recomendada para a prática de kitesurf

  6. Julia Maiorana disse:

    Oi Luana!! Se você conseguir alugar um carro, acredito ser melhor. Até tem taxi, mas não poucos. Quanto ao Kite é bem raro.
    beijos

Os comentários estão fechados.

2016 Julia Maiorana | Desenvolvido e gerenciado por gCampaner

Muitas imagens utilizadas neste blog vêm de fontes diversas e muitas vezes não autorizadas. Se alguma foto de sua autoria estiver no blog e você desejar a remoção ou os devidos créditos, por favor envie um email para [email protected] que prontamente atenderei à solicitação.