O que trazer de viagem quando voltar de Belém

Categorias:

Brasil,Destinos,Experiências,Gastronomia
Compartilhe:

Sabe como dá para saber quando um voo chega de Belém do Pará? É só olhar para a esteira de malas na sala de desembarque do aeroporto. A esteira que mais tiver caixas de isopor, certamente será da aeronave vinda do Pará.

Quem nunca visitou a cidade pode achar esse costume meio estranho e até brega, mas acredite: voltar dessa viagem sem o tradicional isopor paraense é um pecado tão grande que você vai precisar voltar lá o mais breve possível para trazer o seu. Fique tranquilo, não se preocupe em parecer estranho, não. Até a Maitê Proença leva o dela quando visita a cidade.

Isopor Paraense - Maitê Proença - Julia Maiorana

Julia, mas por que isso tudo?

Bom, vamos lá. Primeiro, é válido eu te contar que Belém é uma cidade onde a culinária é bastante diferente do restante do país. A fama é tamanha que Belém é considerada pela UNESCO como umas das cidades mundiais da gastronomia criativa. Existem comidas, temperos e até bebidas que a gente só encontra lá. E quando a gente encontra em outros lugares do Brasil e do mundo, são muito caros e/ou não estão tão fresquinhos como os que a gente traz diretamente de lá.

O típico isopor paraense

Os paraenses que moram fora do estado geralmente incluem na bagagem de volta muita comida congelada que vai em um isopor. E é cada isopor gigante que você nem acreditaria. Entre essas comidas podemos destacar:

Peixes de água doce: que são deliciosos e se estiverem fresquinhos, melhor ainda.

Açaí: não sei se você sabe, mas o açaí que se toma em Belém é completamente diferente do açaí comercializado no restante do país.

Maniva: ingrediente fundamental para preparar a maniçoba, um prato paraense com aspecto estranho, mas o gosto é sensacional.

Tucupi: um caldo extraído da mandioca que serve para fazer alguns pratos típicos como o arroz paraense, pato no tucupi e tacacá.

Alguns trazem ainda as frutas da região, como o bacuri e o cupuaçu (ficam incríveis em forma de suco, pavês e até bombons trufados). Talvez você nunca nem tenha ouvido falar desses nomes que acabei de citar, mas em Belém eles fazem parte da rotina alimentar em todas as classes sociais, desde o ribeirinho até os restaurantes mais sofisticados.

Veja também: Roteiro gastronômico em Belém do Pará

Bom, mas esse é o isopor de quem é paraense e vai saber preparar os pratos típicos da região em casa, né. Este post é justamente para quem não é da cidade, está visitando Belém e quer levar algumas gostosuras em seu isopor, que são indispensáveis por dois motivos: vai bater aquela vontade de comer alguma guloseima paraense quando chegar em casa (100% de certeza) e também você vai poder oferecer para alguém especial que vai se surpreender com os sabores. E não vou falar somente de comidas, então a gente vai aproveitar ainda a sua mala de viagem para trazer algumas coisinhas de lá. 

Itens para levar na bagagem quando voltar de Belém

1 – Cachaça de Jambu Meu Garoto

Isopor paraense: o que levar - Cachaça de Jambu Meu Garoto - Julia Maiorana

Cachaça de Jambu pode facilmente ser a bebida alcoólica mais surpreendente que você irá tomar na vida. É até difícil explicar por aqui a sensação que ela causa, por isso mesmo que você precisa experimentar. Seu principal ingrediente é a flor do jambu, uma planta da região que, ao entrar em contato com os lábios e língua, causa uns tremeliques e deixa a boca meio amortecida.

A Cachaça de Jambu foi inventada pelo Leo Porto, proprietário do Bar Meu Garoto, e faz o maior sucesso. A fama foi tanta que até grandes nomes da culinária e mixologia super indicam, como Jamie Oliver, Bela Gil, entre outros.

Eles têm a Cachaça de Jambu Meu Garoto Tradicional (só com jambu) e também têm a coleção chamada Jambucy, onde eles misturam a Cachaça de Jambu com licores de frutas regionais, como Castanha do Pará, Açaí e Cupuaçu. Essas últimas eu super indico para levar de lembrança para os amigos que apreciam bebidas alcoólicas.

Isopor paraense: o que levar - Cachaça de Jambu Dose - Julia Maiorana

Onde encontrar: Nos botecos Meu Garoto Campina (Rua Sen. Manoel Barata, 928), Meu Garoto Praça Brasil (Senador Lemos, 641), na loja física (Rua Senador Manoel Barata, 917).

Como transportar: Dá para levar na mala e despachar. Porém, você deve ter o cuidado em armazenar cuidadosamente as garrafas entre as roupas. Nesses casos, eu indico utilizar uma mala mais rígida e acomodar as garrafas entre as roupas mais fofinhas e evitar o contato entre entre elas. Se você não gostar da ideia de levar garrafa de vidro na mala, pode pedir pela Loja Virtual da Cachaça de Jambu Meu Garoto, que eles entregam em todo o Brasil.

2 – Sorvetes da Cairu

Isopor paraense: o que levar - Sorvetes Cairu - Julia Maiorana

Belém é quente o ano todo. Mas ainda bem que existem os sorvetes da Cairu para ajudar a dar uma refrescada. Eles são tão bons no que fazem que a Cairu foi eleita pelos usuários do TripAdvisor como a melhor sorveteria do Brasil. Sinceramente, eles dão de mil a zero em várias sorveterias internacionais. Em Belém, você pode encontrar até 50 sabores diferentes de sorvetes, mas a especialidade da casa são os sorvetes regionais.

Feitos com as frutas amazônicas, os sorvetes da Cairu são itens indispensáveis para trazer na mala. Menos, é claro, para quem mora no Rio de Janeiro, pois você pode encontrar uma sorveteria Cairu na Rua Adolfo Bergamini, 149. Mas, se você não é do Rio, melhor levar.

Os sabores mais populares são o de Açaí, Tapioca, Mestiço (Açaí com Tapioca juntos, que dupla!), Bacuri, Pavê de Cupuaçu, Castanha do Pará… São muitos! Quando você visitar a Cairu, peça para provar os sabores e escolha o seu preferido.

Onde Encontrar: Esse item eu sugiro você comprar no próprio aeroporto internacional de Belém, pois tem um quiosque da Cairu por lá e eles já contam com isopor prontinho para você levar essa delícia para a sua casa, já no esquema para despachar.

Como transportar: A regra serve para todos os alimentos. Devem estar congelados e armazenados no isopor.

3 – Ervas de Cheiro da Amazônia

Isopor paraense: o que levar - Chora nos meus Pés - Julia Maiorana

Se você vai turistar em Belém, provavelmente irá visitar o Ver-o-Peso, uma das maiores feiras livres da América Latina. Por lá você vai encontrar muitas coisas e uma das mais interessantes são as barracas de ervas aromáticas da Amazônia.

Quem assistiu a novela A Força do Querer, deve lembrar da personagem Ritinha que usava um perfume chamado “Chora nos Meus Pés”, onde ela afirmava que atraía o homem que ela quisesse para ela. Pois então, esse aroma você encontra por lá, junto com alguns outros, como o “Vence Batalha”, “Chama Tudo” e “Tira Olho Gordo”.

Se faz o efeito que as erveiras prometem? Eu não sei, mas pelo menos são cheiros gostosinhos de usar. Bom até para dar de presente para aquela pessoa que anda precisando de um “banho de descarrego”. Aí toma um belo banho com as ervas, para tirar tudo de ruim do espírito.

Isopor paraense: o que levar - Erva do ver-o-Peso - Julia Maiorana

Dona Coló mostra as ervas no Ver-o-Peso. Imagem: Roberto Farla

Onde encontrar: Na feira do Ver-o-Peso, procure pelas barracas da Beth Cheirosinha ou Dona Coló, as mais conhecidas da feira.

Como transportar: Depende. Se você quiser levar um frasquinho pequeno, pode colocar na sua necessaire ou mesmo por entre as roupas, na mala, com cuidado para não quebrar. Porém, se você quiser levar uma garrafa maior com o famoso Banho de Cheiro, então você terá que congelar a garrafa e colocar dentro do Isopor. Conheço amigos que tentaram levar a garrafa grande na mala e não deixaram a garrafa embarcar por não estar congelada.

3 – Bombons de Chocolate de Bacuri e/ou Cupuaçu

Isopor paraense: o que levar - Bombom do Pará - Julia Maiorana

Se você é chegado em um chocolatinho, precisa conhecer os bombons de chocolate da cidade. Eles contam com vários sabores de bombons com recheios de frutas regionais, que são práticos para armazenar, e por isso, dá para levar um monte na mala de mão (só não caia na tentação de comer tudo durante a viagem, pode ser que não sobre para dar de presente!). Tem várias empresas locais que fabricam essas gostosuras. A mais conhecida é a loja Bombom do Pará.

Existem vários sabores de bombons, mas atenção especial para o bombom de bacuri e o bombom de cupuaçu. São maravilhosos.

Isopor paraense: o que levar - Bombom do Pará - Julia Maiorana - 2

Onde encontrar: Tem alguns pontos de venda da Bombom do Pará espalhados por Belém. É fácil de encontrar na Estação das Docas e, para ser mais prático ainda, tem uma lojinha no segundo piso do aeroporto internacional de Belém. Dá para passar por lá antes de embarcar de volta para a sua cidade.

Como transportar: Na bagagem de mão. Mas, caso você queira levar um montão dessa delícia, precisa congelar e colocar no seu isopor.

4 – Livro de Receitas do chef Thiago Castanho

Isopor paraense: o que levar - Livro Cozinha de Origem - 2 - Julia Maiorana

Thiago Castanho é um ícone da gastronomia paraense. Ele foi um dos maiores responsáveis pela divulgação das riquezas naturais da Amazônia em pratos de gastronomia contemporânea. Bom, sabendo disso, provavelmente você vai querer conhecer os restaurantes do chef e apreciar o supra sumo da gastronomia paraense. E por que não tentar as receitas paraenses em casa? Nesse caso, vale super a pena levar para casa o Livro Cozinha de Origem, onde o chef ensina a fazer algumas das delícias da casa. Se essa ideia lhe parece ótima, sugiro voltar ao começo do post, onde falo um pouco sobre ingredientes do isopor paraense para incluir no seu isopor também. 😛

Isopor paraense: o que levar - Livro Cozinha de Origem - Julia Maiorana

Onde encontrar: Nos próprios restaurantes Remanso do Bosque (Av. Romulo Maiorana, 2350) e Remanso do Peixe (Tv. Barão do Triunfo, 2590). Pode ser também que você encontre nas livrarias da cidade e até mesmo na Livraria Laselva, no segundo piso do aeroporto de Belém.

Como transportar:  Pode ser na bagagem de mão (para ler no avião) ou mesmo na bagagem despachada.

5 – Farinha de Mandioca e Farinha de Tapioca

Isopor paraense: o que levar - Farinha de Mandioca - Julia Maiorana

Tipos de farinha de mandioca

Mesmo que você não seja muito fã comer farinha de mandioca, vale dar uma provadinha na farinha de Belém. Fabricadas artesanalmente no interior do estado, elas são itens indispensáveis nos pratos do paraense. Existem vários tipos de farinha de mandioca, tem branca, amarela, fininha, grossa… Vale você provar e decidir qual é a sua preferida.

Já a farinha de Tapioca é feita de mandioca, que lembram floquinhos de isopor. Os paraenses costumam colocar a farinha da Tapioca no açaí, mas também ficam gostosas como mingau, no iogurte, enfim, onde você preferir.

Isopor paraense: o que levar - Farinha de Tapioca - Julia Maiorana

Farinha de Tapioca

Onde encontrar: Em feiras livres, no Ver-o-Peso, nos supermercados da cidade e até mesmo na loja da Cairu do aeroporto.

Como transportar: Opte pelas farinhas em garrafas plásticas, que são mais fáceis para transportar na sua viagem. É válido dizer que você precisa deixar claro o que está levando. Se você comprar as garrafas, o rótulo do produto já basta. Você pode transportar na mala ou mesmo no isopor, mas esses itens não precisam ser congelados.

 

Bom, basicamente, é isso. Claro que tem muita coisa a mais para colocar na lista, mas eu separei os itens indispensáveis. Afinal, com as novas regras da ANAC, exagerar na bagagem pode deixar o embarque bem mais caro do que você imaginava.

 

Veja também:

Tudo sobre Alter do Chão, em Santarém (PA)
O que fazer em Belém no Círio de Nazaré
Círio de Nazaré Fluvial em Belém do Pará    

 

Ei, e me conta! Você já esteve em Belém ou está se preparando para conhecer? Se precisar de ajuda, me avisa! Terei o maior prazer em te ajudar 😉

Tags:
Compartilhe:

6 thoughts on “O que trazer de viagem quando voltar de Belém”

  1. AGUIDA ROBERTA DE CAMARGO SARAIVA disse:

    Oi Juuuuu!
    Vou para Belém semana que vem e já anotei todas as suas dicas.
    Será que você pode me dizer se nas lojas de bombom, há bombons congelados?
    No hotel que vou ficar não tem frigobar 🙁

    Obrigada pelas valiosas informações!

    1. Julia Maiorana disse:

      Oi Aguida!! Que delicia! Com amuito filhote por mim, ehhe. OLha, nunca escutei em bombons congelados, mas sugiro que você compre antes de voltar. beijos

  2. Raisa disse:

    Pode levar um isopor pequeno comanicoba pronta e congelada como bagagem de mão? Não é muito, é o suficiente pra uma pessoa.

    1. Julia Maiorana disse:

      Oi Raisa! Em território nacional pode sim. Congelada e no isopor.
      Beijos

  3. Andreza Brito disse:

    Boa noite Julia.
    Estou voltando a Santa Catarina, onde tenho residência fixa,mais sou paraense, posso levar farinha na mala despachada 5 kilos divididos em sacos.

    1. Julia Maiorana disse:

      oi andreza! pode sim. beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2016 Julia Maiorana | Desenvolvido e gerenciado por gCampaner

Muitas imagens utilizadas neste blog vêm de fontes diversas e muitas vezes não autorizadas. Se alguma foto de sua autoria estiver no blog e você desejar a remoção ou os devidos créditos, por favor envie um email para [email protected] que prontamente atenderei à solicitação.